Quem faz o Fred? – #3: Fernando Abolafio

Fernando-FRED

Continuando a série “Quem faz o Fred” com o Fernando Abolafio, um dos mais antigos membros do time Fred e responsável pelo Front-End do Fred Builder.

 

Fale um pouco sobre você?

Oi, eu sou o Fernando Henrique Silva Abolafio, tenho 22 anos e sou de Pouso Alegre- MG.

Sempre tive paixão por novas tecnologias e no impacto causado por elas. A aparição de empresas, que “ do dia pra noite” se tornaram muito grandes pois criavam um valor muito grande pra sociedade através da inovação, me motivou a buscar uma educação direcionada a tecnologia, mais especificamente programação de software.

Com esse interesse, entrei para o curso de Engenharia de Computação na Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI), onde cursei até o terceiro ano. Foram três anos intensos onde eu gosto de salientar a experiências que tive ajudando a criar o projeto Coyotes MotoRacing. Depois disso fui para um intercâmbio de 1 ano na universidade San Jose State University (SJSU) pelo programa Ciências sem Fronteiras. Isso se encaixou perfeitamente com toda minha expectativa, pois San José é conhecida como a capital do Vale do Silício que é por sua vez, a capital de tecnologia do mundo atualmente.

No intercâmbio busquei disciplinas de final de graduação do curso de Engenharia de Software e logo comecei a me expor as tecnologias mais novas no mundo de software e pude desenvolver vários pequenos projetos durante esse tempo. Ainda no final do intercâmbio pude fazer um estágio de 3 meses na empresa Younoodle com sede em São Francisco, outro grande polo tecnológico. Esse estágio me fez desenvolver um software do começo ao fim. Além de todo ganho pela multiculturalidade daquela empresa, que possuía pessoas de vários lugares como Itália, Turquia, Índia, Suécia, Dinamarca, etc. Foi uma experiência muito rica e com certeza um passo essencial para o meu aprendizado.

Dois meses após o retorno ao Brasil vi o anúncio de uma vaga no Fred, que em termos de requerimentos, se encaixava perfeitamente com o que eu tinha desenvolvido durante o estágio. Logo entrei em contato com o Alfred e depois de um teste entrei para a equipe como responsável pelo Desenvolvimento Front-End do projeto. Um ano e meio depois disso, sigo no projeto na iminência de lançarmos o produto principal do Fred, até então. O Fred Builder. Fique ligado, que algo muito grande está por vir.

Em termos de atividades extra profissionais, gosto muito de passar tempo com meus amigos, minha namorada e minha família. Gosto muito de música, desde samba a música eletrônica, sem pré conceitos. Futebol também é uma paixão, seja pra assistir ou pra jogar.

Como começou seu interesse por chatbots?

Na verdade eu não tinha me atentado ao mundo dos chatbots até entrar no Fred. Só partir daí que abri minha cabeça pra esse universo tecnológico e naturalmente, passei a me envolver com esse ecossistema. Ainda que, no Fred, temos uma filosofia de pensamento bem singular, se comparado com outras empresas.

Comparado aos softwares tradicionais quais as principais diferenças que você ver em trabalhar com bots?

Creio que a definição da arquitetura do sistema exige uma atenção especial. E por ainda não ser uma tecnologia tão madura em termos de plataformas e ecossistema, muitas coisas cabem a nossa criatividade para serem desenvolvidas. Na área que atuo em especial, o maior desafio está em desenvolver uma interface que agrega robustez e facilidade para os usuários.

Na área que você atua quais são suas maiores dificuldades e o que você tem feito para superá-las?

Pra mim o Fred Builder é como um navio no estaleiro. Você consegue ver sua dimensão, sua imponência mas ainda não o viu navegando. E nessa luta de expectativa e leniência durante o desenvolvimento que creio que se encontra a maior dificuldade. É importante sempre dar um passo para atrás e olhar friamente para o trabalho feito.

Como você se organiza para executar as suas tarefas diárias?

Através de constante comunicação com o time para verificar a prioridade das tarefas, concentração (meditação é necessário) e softwares que eu auxiliam nessa organização.

Quais programas são as suas ferramentas de trabalho?

Para gerenciamento de tarefas e comunicação uso TeamWork e Slack. Para desenvolvimento uso vários outros, um deles é o Visual Studio.

Para aqueles que pretendem trabalhar na sua área quais os conselhos você daria?

Mantenha-se curioso e disposto a aprender e fazer. Aprenda e aplique conhecimentos em qualquer coisa que lhe interesse. Independente se for software ou não creio que o interesse é sempre valorizado e interesse gera conhecimento que é a raiz da criação de valor. Não esperar por uma motivação externa para iniciar algo é sempre um ponto de partida, usar suas próprias aspirações fazem o trabalho mais prazeroso e natural. Além do mais, use a internet. Todo conhecimento do mundo está hoje disponível às pessoas. Saiba como usá-lo e dê a importância devida ao inglês nessa busca.

GOSTOU DO CONTEÚDO?
Receba nosso conteúdo semanalmente por email!
Odiamos SPAM! Seu email nunca será compartilhado.